No dia 21 de agosto se inicia a Semana Nacional da Criança Excepcional que vai até o dia 28 de agosto e tem como intuito informar e instruir a população sobre as necessidades específicas dessas crianças e desconstruir os preconceitos. 

 

Em 2015 a população também celebrou uma vitória ao ser estabelecido o Estatuto de Pessoa com Deficiência também conhecido como LBI (Lei Brasileira de Inclusão) - LEI N° 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Essa lei é importante marco pois muda o conceito de deficiência e deixa der ser compreendido somente como condição biológica (física, mental, intelectual ou sensorial) e passa a ser compreendido como um resultado da interação com barreiras impostas pelo Estado que possa obstruir sua participação na sociedade em condições iguais às das outras pessoas.

 

O melhor tratamento e acompanhamento é feito por uma equipe multidisciplinar que avaliará as dificuldades e potenciais de cada criança encaminhando a se desenvolver e evoluir. Essa equipe é constituída por inúmeros profissionais da saúde que compreende médicos, nutricionistas, fisioterapeutas, educadores físicos, psicólogos, acupunturistas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, além de profissionais da área educacional como professores e psicoterapeutas e também do cuidado integrativo como os cuidadores. E cabe a toda a sociedade tornar essa pessoa bem-vinda e inclusa no âmbito social, podendo observar quais barreiras são impostas às pessoas com deficiência no nosso âmbito de trabalho, estudantil e comunidade e trabalhar para adequar nosso dia a dia e torna-lo integrativo para todos.

 

No meio dessa semana, dia 24, também temos o dia da infância que foi instituída pela UNICEF e tem como finalidade promover uma reflexão de como é a condição de vida das crianças de todo o mundo e compreende 10 princípios sobre seus direitos. E embora sejam protegidas por lei, sabemos o quanto tantas crianças sofrem pelo mundo. 

 

Aproveitando essas datas, devemos refletir sobre as condições de vida das nossas crianças, todas elas, e podemos começar por nossa comunidade observando as condições de saúde e educação, além da acessibilidade e defesa dos direitos de todos cobrando a integração de todas de forma igualitária. A informação é essencial para que possamos juntos tornar a vida de nossas crianças melhor e ter a clareza de que qualquer mudança é mais efetiva quando coletiva.

 
 
  

 

  

 

Fabiana Barbosa
Fisioterapeuta
CREFITO 3/175362-F

Compartilhe:
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn